Nota para os jornais

Artigo para os jornais após falecimento

 

José Francisco David-Ferreira (1929-2012)

Uma vida dedicada à Ciência, à Investigação e ao Ensino

Natural de Montargil, no Alentejo, José David-Ferreira construiu «a pulso» uma carreira que podemos dizer brilhante. Os 20 valores com que terminou a licenciatura na Faculdade de Medicina de Lisboa (FML), em 1952, foram apenas o prelúdio de um percurso notável nas três áreas a que se entregou: a Ciência, a investigação e a educação. Senhor de uma imensa sabedoria, lembra o seu único filho, José Pedro David-Ferreira, tinha a rara característica de a saber transmitir, e contribuiu para mudar o ensino da altura, no nosso País.

O seu percurso não foi linear, mas dedicou grande parte da sua vida a duas instituições: a Universidade de Lisboa (UL) e, dentro desta, a FML, e a Fundação Calouste Gulbenkian. Durante o período em que foi assistente de Histologia e Embriologia da FML (1952 a 1960) fez um estágio no Institut de Recherches sur le Cancer, em Villejuif, França, findo o qual instalou e dirigiu o Laboratório de Microscopia Eletrónica da FML. Foi professor auxiliar da FML de 1960 a 1962, ano em que abraçou o projeto de criação do Centro de Biologia do Instituto Gulbenkian de Ciências, em Oeiras, ao qual ficou sempre ligado.

Em 1974 voltou a integrar o corpo docente da FML. «Investigador, homem de Ciência e um pedagogo admirável, foi fundamental para o reforço da Ciência na FML, particularmente para a constituição do Instituto de Medicina Molecular [IMM]», nota o actual director da FML, José Fernandes e Fernandes. Também a actual directora do IMM, Maria do Carmo Fonseca, não quis deixar de sublinhar: «Com David-Ferreira aprendi o valor da liberdade de pensamento e de acção. Inspirou-me a ousar quebrar tradições, a abdicar da pretensa segurança do quotidiano previsível e a aventurar-me na busca de concretizar os meus sonhos.»

Jubilou-se em 1999, ano em que o Presidente da Republica, na altura, Jorge Sampaio, o condecorou com as insígnias de Grande Oficial da Ordem de Instrução Pública. Manteve a direcção do Centro de Biologia e Patologia Molecular da FML (1990-2001), e a vice-reitoria da Universidade de Lisboa (1997-2001). A par da cultura, do perfeccionismo, do bom senso e da tolerância, é pela «postura calma e voz tranquila, presença afável e olhar perspicaz, reflectindo profundos afectos» que o vice-reitor da UL, António de Vasconcelos Tavares, recorda o professor.

Nos últimos anos, sempre o estudo, a leitura, a escrita e o futuro o preencheram.

José David-Ferreira faleceu no passado dia 7, tendo-se realizado, ontem, uma cerimónia de homenagem publica na Basílica da Estrela, em Lisboa.