3 - Laboratório de Microscopia Electrónica, da Faculdade de Medicina de Lisboa

Um dos objectivos de David-Ferreira fora conceber e implementar um Laboratório de Microscopia Electrónica no Instituto de Histologia e Embriologia da FML, o que, após muitas peripécias burocráticas e políticas e um esforço enorme para conseguir o seu financiamento, foi conseguido com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, a partir de 1957.

Os seus impulsionadores foram Augusto P. Celestino da Costa e Xavier Morato, à época os Directores do Instituto de Histologia e Embriologia da FML.

Em 1960, logo após ter prestado as suas provas de Doutoramento em Medicina na Universidade de Lisboa, onde teve a classificação de 20 valores, partiu para um périplo de visitas de estudo aos principais laboratórios de França, Bélgica, Alemanha, Dinamarca e Suécia.

 

Depoimento do próprio David-Ferreira:

"Laboratório de Microscopia Electrónica do Instituto de Histologia e Embriologia
Em Outubro de 1957 [regresso] a Portugal tendo sido encarregado pelo Professor Xavier Morato de organizar o Laboratório de Microscopia Electrónica do Instituto de Histologia e Embriologia. Este laboratório, cuja montagem foi possível graças a um subsídio da Fundação Calouste Gulbenkian, foi o primeiro no nosso País em que o microscópio electrónico foi utilizado em citologia e histologia. De Outubro de 1957 até Julho de 1962, além das suas funções docentes [orientei] o trabalho de investigação do Laboratório de Microscopia Electrónica. No período inicial [organizei] o laboratório, [supervisionei] a montagem do microscópio electrónico e das técnicas de ultramicrotomia, no que [contei] com a colaboração competente e dedicada de Karin L. David Ferreira. [Introduzi] estagiários no uso do microscópio electrónico e [colaborei] com especialistas de outros ramos no estudo de problemas em que estava indicada a utilização da microscopia electrónica." (DAVID-FERREIRA, José Francisco, Curriculum Vitae, Lisboa 1978 e Adenda de 1979)