2 - Instituto do Cancro Gustave-Roussy, em Villejuif (Paris)

Neste Instituto (https://www.gustaveroussy.fr/), um dos mais avançados para a época e considerado um dos pioneiros na luta contra o cancro, David-Ferreira foi aprender e tomar conhecimento das técnicas laboratoriais necessárias para a utilização do Microscópio Electrónico em Histologia.

Este instrumento electrónico foi inventado na Alemanha no período da Segunda Guerra Mundial e permitia ampliações de até 200.000 vezes, até então impossíveis de atingir pelos meios ópticos baseados em lentes de vidro, permitindo "ver" o que até então era o desconhecido na Biologia moderna.

Desde esse período que David-Ferreira teve a preocupação e o estímulo de participar em Conferências e Seminários Internacionais sobre esta temática, nas suas diversas ligações, sobretudo à Anatomia, Histologia e Biologia Celular. Estes encontros permitiam encontrar cientistas de diversas partes do mundo, que se concentravam para discutir as suas novas práticas, apresentar as suas comunicações e "papers", partilhando e discutindo assim os avanços científicos entretanto verificados, num espírito de evidente cooperação.

É durante este periodo que escreve a sua tese de Doutoramento.