Homenagem Basílica da Estrela - Aluno Francisco Silva da AEFML

Cerimónia de Homenagem a José Francisco David-Ferreira, na Basílica da Estrela, 9 de Fevereiro de 2012, discurso proferido pelo aluno Francisco Silva da Associação de Estudantes da Faculdade de Medicina de Lisboa.

 

 

Homenagem na Basílica da Estrela
Data de 9 de Fevereiro de 2014
Locutor - Aluno Francisco Silva da AEFM

É realmente uma honra estar mais uma vez na presença do Prof. David-Ferreira, lembro-me da ultima vez que estive com o Professor, foi à cerca de três meses atrás e nós tinha-mo-lo convidado também para estar com a Associação de Estudantes, e com todos os estudantes da Faculdade de Medicina, exactamente por um motivo muito semelhante àquele que nos traz cá hoje.

Homenagearmos o Prof. David Ferreira na altura, à três meses atrás, através de um dos nossos saraus culturais, foi a primeira vez, de que me lembre, que invocámos uma personalidade que ainda estivesse entre nós, para ser então o centro das atenções e tudo fez muito sentido.

O Prof. David-Ferreira dirigiu-se aos estudantes, com uma proximidade que não faria lembrar aquilo que por vezes é a imagem dos mestres que nós temos hoje em dia.

E hoje também aproveitei durante o dia, para uma vez que não tive oportunidade de ser aluno do Prof. David-Ferreira, de uma forma mais directa, da indirecta acabei por ser e já vos falarei disso: hoje parei na faculdade e perguntei a 3 pessoas. Quem tinha sido afinal o Professor David-Ferreira?
Uma delas era uma funcionaria do Conselho, uma pessoa muito humilde, a D. Alice e eu perguntei-lhe:
D. Alice mas então quem foi o Prof. David-Ferreira? E ela disse-me, com um ar muito terno, que o Prof. David-Ferreira tinha sido uma pessoa como já não se faziam hoje, com uma proximidade dos estudantes, dos pares e dos funcionários, como já não havia hoje. Contou-me ela que se lembrava de um dia que tinha levado o seu filho pela mão para a Faculdade, nas férias e em que o Prof. David-Ferreira tinha jogado futebol no corredor da direcção da Faculdade de Medicina de Lisboa com o miúdo.

Isso dirá, eu penso que isso diz muito daquilo que era o Prof. David-Ferreira, muitos de vocês tiveram o privilégio de o conhecer muito melhor do que eu, mas há ainda outra coisa muito importante. O Prof. David-Ferreira apesar de já não dar aula diariamente na Faculdade de Medicina esteve e está sempre presente, porquê? Porquê, porque acho que ele fez aquilo que realmente define o que é o Mestre. O Mestre que não se limita a ensinar, a ensinar as grandes multidões, é um mestre que forma mestres, e não existe nenhum aluno da faculdade de medicina, que por lá passe e que não tenha o privilégio de participar numa boa aula de Biologia Molecular da Célula, da Prof.ª Carmo Fonseca, uma boa aula de Histologia do Prof. Cidadão, uma boa aula de Biologia também do Prof. João Ferreira. Não existe nenhum aluno naquela faculdade que não sinta que está numa faculdade em que a investigação cientifica é presente, é realidade, não existe nenhum aluno na nossa faculdade que não sinta que ouve alguém que fez ali a diferença, houve um projecto diferente que nasceu ali e o Prof. David-Ferreira certamente que contribuiu para isso.

Acho que não tenho muito mais a dizer, mas queria só vos deixar com um pensamento que também tive hoje, enquanto estudava, porque sou estudante, para o exame de cirurgia que terei para a semana: ouvia uma música que pode  até parecer cliché e o tema da música, o título da música era "Who want's to live forever", de facto, bastava falar uma única vez com o Prof. David-Ferreira para ver que essa não era a preocupação dele, talvez ele não esperasse viver para sempre, por aquela humildade que ele tinha em falar com as pessoas, mas o que é facto é que viverá, não só por aquilo que ele foi, mas também por aquilo que ele fez outros serem ....os Mestres de Hoje.